Episódio #119 – Internet dos Brinquedos

Neste episódio comentaremos o recente caso alemão de banimento de uma boneca interativa.

Resumo de Notícias em 18:30. Tema principal em 35:41.

Reproduzir

Shownotes

Ouvintes que mandaram Mensagens: Jeison Pandini, Augusto Matos, Fabio Correa

Imagem do Episódio – “Aussie Bear toy koala” por Milton Kent e Noel Rubie – 1944
Música da segunda parte do episódio –”Opening” por Raphae
Música do final do episódio – “Bughici – Suite for Violin, 8 Ardeleneasca, moderato” por Advent Chamber Orchestra

2 comentários em “Episódio #119 – Internet dos Brinquedos

  1. Esse tema é bastante interessante; acho que valeria questionar por que só quando é um brinquedo que grava tudo ele é banido (por envolver crianças e bater de frente com proteção de jovens), sendo que isso é um risco no caso de qualquer coisa que grave tudo o que a pessoa fala, envolvendo ou não crianças.
    Claro que o contexto de ser com crianças exige proteção especial, especialmente por se imaginar que brinquedos são algo inofensivo, mas como comentado ao final, nossos celulares, carros, etc. estão armazenando cada vez mais dados sobre nosso comportamento. Acho que estamos sendo ingênuos nesse sentido, ao permitir que tudo seja feito em nome do conforto e da comodidade.
    Essa decisão de banir é um marco, mas se ficar restrita ao contexto da proteção à infância, pode não ter muito efeito; afinal, ao redor de crianças sempre há adultos e seus dispositivos (como narrado, o celular dos pais acaba indo parar na mão dos filhos).
    E uma reflexão off topic, achei interessante a discussão quanto à boneca falar coisas consideradas “femninas” e o boneco-robô falar sobre coisas de ciência, mas percebi que o comentário chegou a um ponto onde se considerou que panelas rosa seriam coisa de menina. O fato de associar rosa (ou qualquer cor) a mulheres e feminino não seria um escorregão que faz parte da mesma mentalidade criticada?
    Parabéns pelo podcast, acompanho desde meados do ano passado e, como pesquisadora de direito e sociedade informacional, os temas sempre me interessam.

Deixe uma resposta