Episódio #139 – Minimalismo Digital

Neste episódio falamos sobre o papel da tecnologia nas nossas vidas considerando o que é o realmente é útil.

Reproduzir

Resumo de notícias em 24:49. Assunto principal em 41:09.

Ajude o Segurança Legal a continuar existindo. Visite nossa campanha de financiamento coletivo e nos apoie!

Shownotes:

  • Resumo de Notícias com Fábio Assolini
    • Falha grave de autenticação permite acesso root ao MacOS (via Objective)
    • Roubo cinematográfico de carro inteligente é registrado na Inglaterra (via BBC)
    • Grave vazamento de dados atinge o Uber (via Tecnoblog)
    • IMGUR CONFIRMS 2014 BREACH OF 1.7 MILLION USER ACCOUNTS (via ThreatPost)
    • NSA’s Ragtime program targets Americans, leaked files show (via Zdnet)
    • Smartphones Android podem rastrear sua localização, mesmo com o GPS desativado (via TheHackerNews)
    • Mirai está de volta e ataca na Argentina (via Segu-Info)
      • Rapidinhas Moedas Virtuais
        • 750 mil dólares em criptomoedas são roubados de aplicativo de carteira virtual Coinpouch (via G1)
        • Ataque rouba 30 milhões de dólares de criptomoedas Tether (voa G1)
        • Polícia Federal desmonta pirâmide financeira feita com moeda digital Adsply (voa Tecnoblog)
        • Empresa arrecada US$ 347 milhões em criptomoeda e desaparece (via Tecnoblog)
        • Bitcoin ultrapassa os US$ 10.000 e acumula valorização de 1.000% este ano (via Infomoney)
    • Fraude brasileira com dados pessoais ameaça expor histórico financeiro (via G1)
  • Minimalism: A Documentary About the Important Things (via IMDB – Também disponível no Netflix)
  • Livro “Deep Work: Rules for Focused Success in a Distracted World” (via Amazon)
    • Errata – Citamos o nome errado do livro. Falamos “Deep Focus” quando o nome correto é “Deep Work“.
  • Artigo “On Digital Minimalism” (via Cal Newport)
  • Artigo “On Value and Digital Minimalism” (via Cal Newport)
  • Why Instagram Is the Worst Social Media for Mental Health (via TIME)
  • Livro “A Felicidade Paradoxal” de Gilles Lipovetsky (via Amazon)
  • Livro “The Attention Merchants: The Epic Scramble to Get Inside Our Heads” de Tim Wu (via Amazon)
  • Livro “Reclaiming Conversation – The Power Of Talk In A Digital Age” de Sherry Turkle (via Saraiva)
  • Livro “Direito à desconexão nas relações sociais de trabalho” de Almiro Eduardo de Almeida e Valdete Souto Severo (via LTr)
  • Entrevista com o Prof. Ricardo Abramovay da USP (via CBN)
  • Possíveis leituras adicionais sobre o tema (não comentadas no episódio)
    • Artigo “Eliminating the Human” de David Byrne (via MIT Technology Review)
    • Livro “Walden” de H. D. Thoureau (via Saraiva)
    • Artigo “Digital obesity: our high-tech lives may be bad for our health” de Julian Borra (via TheGuardian)
    • Artigo “Is digital obesity the health problem of our future?” de Tim Metz (via Saent)
    • Livro “Technology vs. Humanity: The Coming Clash Between Man and Machine” (via Amazon)
Trilha da primeira parte do episódio - Endless Story About Sun and Moon de Kay Engel
Foto do episódio por Asparukh Akanayev (https://flic.kr/p/o5GGUp)

4 comentários em “Episódio #139 – Minimalismo Digital

  1. Saudações!
    Me chamo Aaron Santos, recifense falando de João Pessoa, estudo Tecnologia em Sistemas para Internet no IFPB e acompanho o podcast desde a participação no Anticast.

    Gostaria de parabenizar pelo trabalho incrível, fiquei impressionado ao descobri-los em saber que havia gente fazendo algo com tamanha qualidade. Fico ainda mais contente ao ver essa constante abordagem por temas mais reflexivos acerca da relação tecnologia e sociedade, nem sempre tão debatidos como deveria por nós da área. Acredito que devemos sair de nossas bolhas e nos inserir nestes debates a fim de trazer nossa perspectiva técnica e pluralizar um debate que muitas vezes acaba se tornando simplista e maniqueísta (black mirrorizado), como também conscientizar a população acerca das implicações do uso da tecnologia em suas vidas. Quanto a isso, me sinto devidamente representado pelo podcast, ainda mais após esse episódio.

    Nesse sentido gostaria de recomendar um outro podcast, voltado a temas como filosofia, comunicação, sociedade, que é o Ficções do Marcos Ramom, especificamente os episódios 84: “O problema da tecnologia” e o 36, “Que internet você quer?”. Seguem os links:

    Ficções #84: https://www.marcosramon.net/ficcoes/84-o-problema-com-a-tecnologia
    Ficções #36: https://www.marcosramon.net/ficcoes/ficcoes-36-que-internet-voce-quer

    Vida longa ao podcast!

  2. Boa tarde senhores, quero parabenizar pelo episódio eu ja tinha visto a descrição desse documentario pela netflix comecei a ve-lo mas ainda nao terminei, fico grato por estarmos pensando de mesma forma rss..

    quero apenas fazer algumas observacoes:
    a noticia:
    Fraude brasileira com dados pessoais ameaça expor histórico financeiro (via G1)
    não possui link se possível corrijam isso, eu gosto de sempre checar as fontes mesmo que eu confie em que forneceu essa informação.

    estou muito interessado no Paradigma distribuído, ou criptomoedas ou plataformas distribuidas.
    eu estou do segurança de informação por conta, fico perplexo como esse projetos envolvem milhoes ou bilhoes de pessoas e as vezes mal tem um comitê para avaliar as reais seguranças.

    peço que se possivel avaliem as falhas conhecidas do BItcoin:
    https://en.bitcoin.it/wiki/Common_Vulnerabilities_and_Exposures
    não sou especialista mas caso vocês queiram posso lhes enviar material mais técnico, eu participo de alguns listas de discurssão: zcash, BTC core, ether, iota.

    vejo que com excessão do bitcoin poucas empresas/projetos tem um política clara sobre segurança de informação.
    ex:
    o zcash diz que trata de vulnerabilidades mas não divulga CVEs nem vulnerabilidades de arquiteturas de software.
    a Ether e ethereum são complacentes com segurança fora que eles ignoram qq pergunta ou implementação que não seja rentavel, mesmo que ela ameace a segurança de terceiros..
    estou com algumas Issues no Projeto que foram ignoradas por mais de 12 meses.
    o ether não tem nenhuma informação pública de como a segurança e feita por parte da empresa.
    O iota é um dos projetos mais cotados como tecnologia do futuro, pena que a documentação deles é bem pobre, varios links quebrados no site oficial, ja mandei emails aos devs sobre isso fui ignorado, eles nao tem detalhes como tratam as CVEs ( se é que o fazem ) das as pessoas que são a favor desse projeto, parecem que nunca leram a documentação oficial, sempre informam dados de terceiros que muitas vezes nao estão no Projeto, ou mesmo apenas referenciam um whitepaper que na pratica diz muito pouco…
    entao por mais que Bitcoin core tenha problemas, como ciclo de desenvolvimento, ou mesmo periodos de implementação da versão alfa ( bitcoin codinome Future ) para as demais, não é claro como isso é feito, fora as negligencias com outras moedas forks que são uma ameaça real ao projeto, os nodes p2p do bitcoin cash e bitcoin gold usam a rede do bitcoin core como base, ou seja eles podem incidir no processo para grafos de rede e nós de saída… porem o comitê de segurança parece ser complacente com isso, devido permitir os miners gerenciarem seus recursos de forma mais seletiva, sem grandes mudanças para ambas as redes, porem isso não é repassado aos demais.. usuários..
    se puder apenas divulguem pois o mundo de criptomoedas carecem de bons profissionais de segurança de informação, e os que tentam fazer um bom trabalho de forma autônoma e idônea são ignorados.

  3. Reforço a indicação do livro “Deep Work”, parabéns pelo episódio. Apenas por curiosidade qual a música do final do episódio? acho que não está no shownotes.

  4. Que episódio maravilhoso.
    Ultimamente eu tenho lido muito sobre esse assunto. Eu nunca fui uma pessoa muito de redes sociais, e por isso achava que estava “a salvo” dessas armadilhas digitais, mas a não ser que o seu uso da Internet seja extremamente consiente, ninguém está a salvo.

    Vale lembrar que eu faço parte da primeira geração que nasceu no mundo conectado, ninguém sabe muito bem como fazer, então estamos aqui para acertar e errar e continuar tentando usar essas novas tecnologias para melhorar nossas vidas e não sermos sugadas por elas.

    Uma coisa que me ajudou é rastrear minhas atividades. Depois que fiz isso, desinstalei mtos aplicativos que consumiam uma quantidade valiosa do meu tempo.
    E uma coisa que não foi explorada que serviu de ponto de iniciação para tentar levar uma vida minimalista, tanto na offline quando no online é que o nosso tempo é escasso, e temos que selecionar com sabedoria como vamos gasta-lo.

    E queria dizer que essa manhã de sábado não gastei a minha manhã no limbo de vídeos do Buzzfeed, e ao invés disso vi séries e ouvi podcast que me interessavam.

    Beijos no coração e continuem com esse podcast lindão.

Deixe uma resposta