7 comentários em “Episódio #135 – O que os olhos não veem

    1. Olá, Antônio. Tudo bem?

      Que bom que os links são úteis pra você!
      É que o Assolini está viajando. Ele fez um resumo diferente, com informações do evento que ele irá participar.

      Abraço e continue conosco

  1. Por favor, façam mais episódios como este!
    Sempre quis saber mais detalhes sobre determinação de problemas na rede e sobre a implementação e o funcionamento de protocolos, vocês conseguiram abordar as duas situações.
    Obrigado!

  2. Nem ouvi o ep ainda, só vi o título e o tema e vim correndo comentar que é o título perfeito pro tema, porque TCP/IP é uma das coisas que tem gigantescos efeitos na vida digital das pessoas mas poucos se preocupam em entender.

    O mundo do wifi então, é quase um TCP/IP a parte, de tanta troca de pacotes, mudanças em cabeçalhos, que afetam velocidade e segurança, mas que todos sentem no coração (Dói no peito ver um download a 3kbps via wifi!) mas não entendem direito o que acontece na prática.

  3. Um comentário apenas a fazer: TCP/IP é lindo! kkkkkkk E Vinicius mostrou que manja muito do paranauê.
    Vinícius ia navegando no problema e eu ia tentando antecipar as possíveis soluções aqui. Nem terminei o episódio ainda e ele já está excelente.

  4. Olá pessoal, tudo bem?

    Podcast bem técnico esse então vou dar um comentário mais técnico, eu pessoalmente já precisei fazer tunning em servidores especificos onde eu mexia exatamente nesses valores de buffers que tem problema no seu cliente. A maioria dessas opções de TCP/IP é bem customizavel no kernel do Linux.

    E apesar da implementação do TCP/IP do Sistema Operacional atender 99,99% dos casos, os casos mais legais é aquele onde ele não atende 🙂 e a empresa/software tem que fazer sua propia implementação de TCP/IP para melhorar a perfomance.

    No post abaixo a Julia Evans dá alguns exemplos sobre isso, desde dispositivo embarcado até o Manglev ( https://research.google.com/pubs/pub44824.html ) do Google é bem interessante para se aprofundar no assunto.
    https://jvns.ca/blog/2016/06/30/why-do-we-use-the-linux-kernels-tcp-stack/

    A cloudflare, empresa de CDN bem conhecida, também tem um post um pouco mais técnico explicando o porque eles optaram por usar sua propia implementação da pilha TCP/IP
    https://blog.cloudflare.com/why-we-use-the-linux-kernels-tcp-stack/

Deixe uma resposta